Custos Tesouro Direto

Custos Tesouro Direto – Saiba o que você paga! Planilha Grátis!

Por Arthur Farache

Custos Tesouro Direto – Saiba o que você paga! Planilha Grátis!

Os custos Tesouro Direto envolvidos na compra e venda de títulos públicos impactam diretamente na sua rentabilidade.

Infelizmente ainda tenho a impressão de que todos custos e taxas envolvidos nesse tipo de transação nunca são adequadamente compreendidos pelo pequeno investidor. Precisamos de mais transparência.

O Tesouro Direto é um sistema de negociação de títulos públicos para pessoas físicas criado pelo Tesouro Nacional (quem toma o dinheiro emprestado) em parceria com a BM&FBOVESPA (quem operacionaliza o sistema na Internet).
Por curiosidade, veja que beleza o aumento, sobretudo em 2015, do investimento em Tesouro Direto:

Gráfico Tesouro Direto

Esse sistema foi criado com objetivo de trazer facilidade e menos burocracia para que o público em geral emprestasse mais seu dinheiro ao governo.

Em tese os pequenos investidores deveriam poder emprestar seu dinheiro diretamente e com menor custos ao governo, mas na vida prática do brasileiro nada pode ser tão simples.

Para investir no Tesouro Direto você precisa de uma corretora, distribuidora de valores, banco comercial ou  banco de investimento. Para todos os detalhes, direitos e obrigações, consulte o Regulamento do Tesouro Direto, disponível aqui.

Nessa função, eles são chamados de agentes de custódia, muito embora não custodiem coisa nenhuma, pois os títulos ficam custodiados no Banco Central, na conta da BM&FBOVESPA.

Na prática eles são os responsáveis pelo seu cadastro e por prover o atendimento a você, pequeno investidor.

Por trás do agente de custódia, está a BM&FBOVESPA quem gere todo o sistema do Tesouro Direto e possui contas junto ao Banco Central (sistema SELIC). Não confunda com a homônima taxa SELIC – a taxa de juros básica da economia brasileira. Aliás não deixe de conferir os posts que te ajudam a escolher títulos de renda fixa de acordo com índice utilizado: SELIC x Prefixado e SELIC x CDI.

É nessa conta escritural (virtual) que estão registrados TODOS os títulos públicos dos investidores do Tesouro Direto.

Importante: em caso de quebra da corretora, distribuidora ou do banco que você usa como agente de custódia, seus títulos estão protegidos custodiados pela BM&FBOVESPA no Banco Central.

Quais são os custos, taxas, tarifas, etc. (Custos Tesouro Direto) que você paga no momento em que investe no Tesouro Direto?

Custos Tesouro Direto são dois:

  1. Taxa de Custódia – 0,30% ao ano sobre o valor total de todos os seus títulos – Cobrada pela BM&FBOVESPA para manter o sistema inteiro do Tesouro Direto funcionando. Essa taxa não tem como evitar, você paga independente de qual corretora, distribuidora ou banco esteja utilizando. Ela é cobrada semestralmente ou no pagamento de juros ou no vencimento do título (o que ocorrer primeiro).
  2. Taxa de Serviço – Livremente definida pelas corretoras, distribuidoras e bancos – Cobrada pela instituição que é o agente de custódia com quem você iniciou seu acesso ao sistema do Tesouro Direto.
  • A BM&FBOVESPA pode, pelo regulamento, vir a cobrar uma taxa por negociação que incidiria no ato da compra, mas – me parece – que essa taxa não está sendo cobrada atualmente.

É por essa taxa de serviço que você deve pesquisar e negociar para achar uma instituição que te dê o melhor atendimento em troca da menor taxa. Abaixo a relação disponível no site da bolsa com as taxas de cada instituição.

Diferenças entre as Corretoras

Perceba três diferenças importantes nos custos tesouro direto:

Preço – As taxas variam de 0% (isso mesmo tem instituição que não cobra nada) a 2%. Isso com certeza trará impacto importante sobre o seu rendimento.

Prazo – A forma de cobrança varia de instituição para instituição. A grande maioria cobra por ano, mas há ainda uma que cobra semestralmente (em roxo na tabela acima) e 3 que cobram por operação (em vermelho na tabela acima).

Segmentação e tipo de interação – Há ainda instituições que cobram de forma diferenciada a depender da sua segmentação ou forma com que você interage com a instituição.

Por exemplo, o Itaú cobra 0,45% dos clientes Itaú Personnalité e 0,5% dos clientes Itaú.

Já o BANRISUL cobra de forma diferente a depender do tipo de interação que você tem com ele. Se você interage via mesa de operações, ou seja, você liga para um operador para comprar e vender títulos no Tesouro Direto, você paga 0,40%, enquanto se fizer isso via Internet pagaria 0,25%.

Lembre-se o Tesouro Direto por ser investimento em títulos públicos não conta com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito. Se quiser saber mais sobre ele, leia o nosso texto: FGC – A garantia que protege o seu dinheiro em bancos e instituições financeiras.

Espero que o post tenha ajudado você a saber mais sobre os Custos Tesouro Direto. Se você quiser calcular e projetas seus investimentos no Tesouro Direto, recomendamos muito o nosso Simulador Tesouro Direto – Planilha Grátis! É só clicar, baixar e simular seus investimentos.

Gostaria de receber seus feedbacks sobre os custos tesouro direto e sugestões de próximos posts. Fique à vontade para entrar em contato comigo.

Receba Gratuitamente em Seu Email a Planilha com os custos de todas a Corretoras, Basta Preencher Abaixo:

Assim fica fácil escolher qual a corretora para realizar os seus investimentos no Tesouro Direto.

Leia também